Capela do Rosário em Matias Barbosa

Capela do Rosário em Matias Barbosa
Capela do Rosário
CAPELA DO ROSÁRIO (1709) – A HISTÓRIA VIVA DE MATIAS Barbosa.

Capela do Rosário – Matias Barbosa é um município altamente ligado a história de Minas Gerais.

Aqui foi instalado o registro do Caminho Novo, onde a pesada mão de Portugal mais se fazia sentir devido aos altos impostos aqui cobrados.

Foi também nesta área que Tiradentes espalhou seu sonho libertário, e onde os Inconfidentes pernoitaram em sua fatídica jornada rumo às cortes do Rio de Janeiro.

Para comprovar a veracidade dos fatos existe farta documentação e principalmente, o belíssimo quadro “jornada dos Mártires”, de Antônio Parreiras, que se encontra no Museu Mariano Procópio de Juiz de Fora e onde são retratados os Inconfidentes passando por Matias Barbosa.

Capela do Rosário - Quadro Jornada dos Mártires faz parte do acervo do Museu Mariano Procópio em Juiz de Fora-MG
Quadro Jornada dos Mártires faz parte do acervo do Museu Mariano Procópio em Juiz de Fora-MG

Contudo, nenhum documento ou quadro é tão representativo da história de Matias Barbosa e de sua Importância na região e no estado, quanto a Capela do Rosário, a “Igrejinha”, que graças ao esforço de poucos, mantêm-se fiel ao seu estilo.

Construída há mais de duzentos anos para ser a capela da Fazenda de Nossa Senhora da Conceição do Caminho Novo, em torno da qual surgiria a cidade Matias Barbosa, a Capela é o monumento mais antigo de toda a região e, justamente, tombada pelo patrimônio histórico dos matienses.

A Capela vivenciou toda a história a partir do século XVIII, e em torno dela circulam histórias e lendas, a principal delas quanto a um túnel existente entre a capela e a antiga sede da fazenda, hoje obstruído.

A Capela do Rosário, apesar de não possuir qualquer exuberância do período em que foi erigida, é belíssima e carregada de um sentimentalismo singelo que merecia uma maior atenção e, especialmente , que fosse mais utilizada como templo, para casamentos e outras cerimônias religiosas, que ressuscitariam o vigor deste monumento histórico que é o motivo maior de ufanismo de todos os matienses.