História

Vista do Centro de Matias Barbosa
Vista do Centro de Matias Barbosa

DADOS GERAIS

Data de Criação: 7/9/1923
Lei de Criação: LEI 843
Padroeiro: Nossa Senhora da Conceição
Festa do Padroeiro: 08/12
Aniversário do município: 7 de setembro

A cidade de Matias Barbosa tem origem na Fazenda do ilustre militar que lhe empresta o nome que a edificou em 1710 em terras da Sesmaria que lhe formam concedidas ao longo do caminho Novo, no ano anterior. Ainda sendo a sua propriedade, foi ali erguido o Registro do Caminho Novo, (com localização provável na atual avenida Cardoso Saraiva, nas proximidades da praça Peter Birkeland), barreiras alfandegárias onde se pagavam altos tributos à Coroa Portuguesa. Em 1766, já falecida o Cel. Mathias Barbosa, seus herdeiros venderam a propriedade para o Tem. Cel. Manoel do Valle Amado, um potentado cuja descendência povoou toda a zona da mata, que então ergueu a Fazenda de Nossa Senhora da Conceição do Caminho Novo, onde pernoitaram os inconfidentes em sua viagem rumo ao Rio de Janeiro onde seriam julgados (momento brilhantemente retratado por Antônio Parreiras, no célebre quadro A JORNADA DOS MÁRTIRES, exposto no Museu Mariano Procópio. Com o falecimento de Manoel do Valle Amado em 1801 seus descendentes dividiram a grande Sesmaria (que compreendia grande parte do hoje município de Juiz de Fora, inclusive bairros São Mateus, Alto dos Passos, Teixeiras e parte de São Pedro) em diversas fazendas, vendendo-as ou nelas residindo, dando origem à várias grandes propriedades rurais algumas ainda hoje existentes.

Quadro Jornada dos Mártires faz parte do acervo do Museu Mariano Procópio em Juiz de Fora-MG
Quadro Jornada dos Mártires faz parte do acervo do Museu Mariano Procópio em Juiz de Fora-MG

Desde a instalação do Registro estabeleceu-se ao longo do caminho Novo, à frente do portão do mesmo, um pequeno, mas sempre crescente, comércio destinado a abastecer os viajantes. Pode-se afirmar que são estes, junto com os moradores de Nossa Senhora da Conceição, os primeiros habitantes do centro populacional que daria origem à cidade. Com a construção, em 1855 da Estrada União Industria, de Mariano Procópio , cuja companhia aqui instalou um estação de mudas das diligências, este comércio floresceu ainda mais e alguns grandes proprietários começaram a instalar depósitos e casas de maradia nas proximidades, o que se acentuaria de forma agressiva com a chegada dos trilhos da Central do Brasil, em 1875, já que o povoado tornou-se grande exportador de café, como toda Zona da Mata, impulsionando o progresso local, culminando com a criação do distrito de Matias Barbosa, pertencente a Juiz de Fora, em 1886.

Prédio do Registro onde se cobrava os impostos.(foto jan/2009)
Registro onde se cobrava os impostos, hoje localizado em Simão Pereira, cidade vizinha à Matias.(foto jan/2009) Foto: Marcos Alfredo

Nos anos seguintes, beneméritos e empreendedores seriam responsáveis pelo verdadeiro povoamento do que viria a ser a cidade, os primeiros, doando terrenos no centro da cidade para seu florescimento e os segundos dividindo as grandes propriedades rurais próximas ao centro em pequenos lotes vendidos a preços acessíveis a modestos agricultores. Este último fato, concomitante com a chegada das famílias italianas em 1888, foi diretamente responsável pelo impressionante crescimento populacional que se verifica em fins do século XX, já que em 1890, com seus 1.583 habitantes, Matias Barbosa era o penúltimo distrito de Juiz de Fora, maior apenas do que Porto das Flores e apenas do que Porto das Flores, em 1907, já se tornara o maior distrito de Juiz de Fora, com 6.190 habitantes.

Nos primeiros anos do século passado, o povoado começa a se desenvolver, com á construção da matriz (1913), a criação do primeiro jornal (1907), a inauguração da luz elétrica (1914), a criação do grupo escolar (1909) e a construção de um prédio próprio para abriga-lo (1913). Florescem no distrito a arte o saber e a política, com os representantes do distritos se destacando na Câmara Municipal de Juiz de Fora. Desde modo, tornou-se imperativo aos habitantes do lugar a independência administrativa, o que foi obtido após quase uma década de lutas renhidas, ocorrendo a emancipação em 07 de setembro de 1923, tendo sido eleito o primeiro Presidente da Câmara e Agente Executivo Municipal (Prefeito) o Dr. José Mariano Pinto Monteiro e os primeiros vereadores Antenor de Aquíno Castro, Dr Aníco Viriato de Azevedo, Francisco Ribeiro de Almeida Júnior, João Evangelista do Valle, Luís Cesário Monteiro da Silva e Mauro Roquette Pinto.

O português Matias Barbosa, sertanista e grande potentado obteve, em 1700, a concessão de sesmaria às margens do rio Paraibuna. Esta sesmaria deu origem ao atual município.

Situado na divisa do estado de Minas Gerais com o do Rio de Janeiro, foi criado o Registro de Matias Barbosa. Os registros eram postos de fiscalização e alfândega interna e onde eram cobrados os tributos das mercadorias que circulavam. Eles existiram em vários pontos do território da Capitania. Os registros integravam o sistema de cobrança de impostos pela Coroa portuguesa e que se definiam por uma persistente tendência de tudo tributar.

Em volta do Registro de Matias Barbosa formou-se um povoado, que, com a denominação de Nossa Senhora da Conceição de Matias Barbosa, foi elevado a distrito do município de Juiz de Fora em 1885. Em 1911, o distrito passou a ser apenas Matias Barbosa e com essa denominação foi elevado a município, em 1923, sendo seu território desmembrado de Juiz de Fora.

MATIAS BARBOSA – DA FUNDAÇÃO AOS DIAS DE HOJE

1698 – O ilustre bandeirante Garcia Rodrigues Paes, buscando uma via de penetração que encurtasse as comunicações entre Rio de Janeiro e as ricas minas de ouro e pedras preciosas, empreende arriscada aventura pelos sertões de Minas Gerais, aventura esta que resultaria em excelente estrada que ia do Rio de Janeiro a João Gomes (Santos Domont) era o CAMINHO NOVO.

1700 – O soldado, bandeirante e aventureiro português MATHIAS BARBOSA DA SILVA, há vários anos residente no Brasil, chega a Minas Gerais em busca de fortuna, como ajudante de auxiliares Dom Fernando Martins Mascarenhas, superntendente das Minas de Ouro.

09/03/1709 – Outorgada a Mathias Barbosa da Silva carta de sesmaria que compreendia uma légua de testada, correndo pelo caminho Novo, e três léguas de sertão, no Rio Paraibuna, confrontando com as roças de Simão Pereira de Sá e as de Antônio de Araújo. Apesar de nunca Ter residido nesta sesmaria, ali surgiu a fazenda de Nossa Senhora da Conceição, por qual surgiria a cidade que recebeu seu nome.

25/07/1742 – Falece em Vila Rica Mathias Barbosa da Silva, rico e poderoso, deixando imensa fortuna para seus descendentes.

1752 – Instalado nas roças de Mathias Barbosa o Registro do Caminho Novo, para cobrar altos impostos de quem ia e vinha para Minas Gerais, o Registro foi o responsável pelo desenvolvimento do local, em torno do qual surgiram as primeiras casas.

1776 – O Tenente-Coronel Manoel do Vale Amado, importante e influente personagem da história mineira, compra sesmaria de Mathias Barbosa da Silva e seus descendentes e manda erigir, para sua residência, a sede da Fazenda de Nossa Senhora da Conceição, que em 1777 encontrava-se concluída e que durante séculos, seria a construção mais antiga do povoado. Na mesma época foi erigida a Capela de Nossa Senhora da Conceição, a mais antiga construção de Matias.

1789 – Criada no povoado de Matias Barbosa uma parada dos correios, que estabelecia ligação entre o Rio de Janeiro e Vila Rica.

1793 – Matias entra na triste história da Inconfidência Mineira ao ver pernoitarem na Fazenda de Manoel do Vale Amado os inconfidentes que se dirigiam, presos, ao Rio de Janeiro, para ali serem julgados e deportados. O fato foi belíssimamente retratado por Antônio Parreiras no célebre quadro “A Jornada dos Mártires”, que se encontra exposto no Museu Mariano Procópio, em Juiz de Fora.

1799 – Instalado o serviço postal em Matias Barbosa, como posto intermediário entre Vila Rica e o Rio de Janeiro.

03/11/1801 – Falece em Matias Barbosa o já então Coronel Manoel do Vale Amaro, personagem brilhante e ativo participante dos principais fatos históricos das Minas Gerias do século XVIII.

1822 – Matias Barbosa recebe a visita de D. Pedro I, em sua vinda a Minas Gerais para normalizar distúrbios em Vila Rica.

04/01/1822 – O Registro do Caminho Novo passa a funcionar como alfândega e alguns anos mais tarde, seria suprimido, originando o declínio do povoado.

1º/10/1875 – Chegam a Matias Barbosa os trilhos da central do Brasil e dois meses depois seria inaugurada o trecho entre o povoado e Juiz de Fora. Com isto, o progresso do local seria novamente impulsionado.]

27/08/1886 – Criado o Distrito de Nossa Senhora da Conceição de Mathias Barbosa pela Lei Provincial nº 3.302 e efetivado pela Lei Estadual nº 2 de 14/09/1891, subordinado ao município de Juiz de Fora.

27/05/1888 – Chegam a Matias Barbosa os primeiros colonos italianos, trazidos pelo Dr. Eugênio Teixeira Leite para colonizar a Fazenda Morro Alto. Entre outros, desembarcaram membros das família Dalco, DeMartim, Francisquete, Pigozzo, Pessera, Martinelli, Fazzi, Pradela, Cecilliani, Delacrode, Casa Grande, Dalpare, Dolabella, Piccino, Borthollo, Belotto, Tatuça, Salete, Samavilla, Pancotti, Fuino, Belloti, Paschoalin, Demarque e Portoni.

1º/ 01/ 1889 – Criado o Cartório de Registro Civil em Matias Barbosa, cujo primeiro oficial do Registro foi o Capitão Joaquim Zeferino Pinto Monteiro, Servindo como primeiro Juiz de Paz, José Cardoso Saraiva.

04/01/1889 – Registrado o primeiro nascimento em Matias Barbosa, uma menina nascida na Fazenda de Santa Helena, filha de Pedro Francisco da Rocha e Andreza Vieira. O nome da menina, por engano, não constou no registro

20/09/1890 – Realizado o primeiro casamento civil em Matias Barbosa, entre Antônio José da Luz, de 20 anos e Vicência Maria Concieção, de 16.

05/03/1892 – Eleito o Dr. Sebastião Pinto Ferreira Bretas como o primeiro vereador especial pelo distrito de Matias Barbosa à Camara Municipal de Juiz de Fora para o triênio 1892 a 1895

17/03/1892 – Realizada a primeira reunião do conselho distrital de Matias Barbosa, constituído por Manuel Pacheco do Couto, Dr. Eugênio Teixeira Leite e Geraldo Augusto de Miranda Monteiro Barros.

08/01/1894 – Registrado o primeiro óbito no cartório civil; com 25 anos falece Maria Hermenegilda de Jesus, de uma lesão orgânica no coração.
05/03/1901 – O Dr. Luís de Souza Brandão é eleito vereador especial à Câmara de Juiz de Fora pelo distrito de Matias, cargo que manteve durante vinte anos pelos sufrágio de seus concidadãos.

17/01/1906 – O Distrito de Matias é desmembrado da freguesia de Juiz de Fora e elevado `a categoria de curato sendo nomeado como primeiro vigário o Cônego Joaquim Monteiro

1º/07/1907 – Surge o “Correio de Matias”, primeiro jornal da cidade, fundado pelo Cônego Joaquim Monteiro, Félix Antônio Salgueiro Vaz e Franklin de Morais Jardim.

14/06/1909 – Instalado o Grupo Escolar Cônego Joaquim Monteiro, tendo como corpo de alunos 149 meninos e 129 meninas. Mais tarde, em 1913, seria inaugurada o prédio ainda hoje ocupado pelo educandário, com a presença do Presidente da Câmara de Juiz de Fora, Dr. Oscar Vidal Barbosa Lage.

1º/07/1913 – Tem fim a construção da Igreja Matriz de N. Sra da Conceição. Um ano antes, quando se encontrava praticamente concluída, seu telhado desabou, sendo necessário angariar novos recursos para a reconstrução

16/08/1914 – Inaugurada a iluminação elétrica na localidade.

1918 – Página trágica na história da localidade: um revolta dos trabalhadores rurais sob o comando do mulato Sabinão acaba em um massacre dos mesmos por parte das forças policiais que covardemente, após tomar todas as armas dos revoltosos (foices e enxadas), atira em seus lider e nos revoltosos que, devido ao fato, fogem apavorados. O saldo do massacre foi de cerca de trinta vítimas entre mortos e feridos. Ninguém foi punido.

07/09/1923 – O presidente do Estado, Dr Raul Soares, promulga a Lei nº 843, criando o município de Matias Barbosa, desmembrando de Juiz de Fora, e composto do distrito sede e pelos distritos de Santana do Deserto e São Pedro de Alcântara.

10/02/1924 – Instalado o município sendo eleito como primeiro Agente Executivo Municipal (prefeito), o Dr. José Mariano Monteiro.

17/05/1927 – Eleito o Dr. Luiz de Souza Brandão como Agente Executivo.

25/06/1929 – Inaugurado o edifício sede da prefeitura Municipal, no governo do Dr. Luíz de Souza Brandão, com a presença do presidente do Estado Dr. Antônio Carlos Ribeiro de Andrade ( o primeiro presidente do Estado a vir a Matias)

1930 – O Dr. Álvaro Braga, conforme normas estabelecidas pela revolução, é nomeado pelo presidente Olegário Maciel Prefeito de Matias, quatro anos depois exonera-se do cargo, em seu lugar seria nomeado prefeito Dr. Virgílio Fabiano Alves Filho, em cuja administração se realizaram as eleições municipais em perfeita ordem.

29/07/1935 – Criado o Termo Judiciário de Matias pelo governador Benedito Valadares, através de decreto nº 155, sendo o primeiro Juiz municipal o Dr. Francisco Ferreira de Siqueira Neto.

31/06/1936 – Eleito Olívio de Albuquerque Castro como prefeito.

07/02/1942 – Inaugurado o Asilo de Pobres.

1945 a 1947 – João Batista Giovanini assume a Prefeitura Municipal, sendo substituído por José Soares de Gouvêa e este por Dirceu Vilhena Fabiano de Araújo, após estes tumultuad os anos seria eleito o médico Dr. Antônio José do Couto, como prefeito de Matias.

31/12/1943 – O distrito de São Pedro de Alcantâra, através da nova divisão territorial e administrativa de Minas Gerais, tem a denominação mudada para Simão Pereira.

15/11/1948 – Instalada a Comarca de Matias Barbosa, o primeiro juiz de Direito seria o Dr. Osvaldino de Paula Salazar e o Primeiro Promotor o Dr. Francisco Ferreira de Siqueira neto.

1950 – Fundado por Nelson Evangelista o Ginásio Tiradentes, hoje Escola Estadual Evaristo G. Simas.

1950 – Eleito o engenheiro Adhemar Rezende de Andrade como prefeito de Matias, mais tarde seria também prefeito de Juiz de Fora. Seu substituto, em 1954, seria o Dr. João baptista da Gama Pereira, que governaria o município ainda no período de 1963 a 1967

12/12/1953 – Criado o município de Santana do Deserto , desmembrado de Matias Barbosa.

1958 – Eleito o Prefeito Dr. José Guimarães Braga.

30/12/1962 – Criado o município de Simão Pereira, desmembrado de Matias Barbosa, que fica composto apenas do distrito sefe.